Conheça Sophia, a primeira “robô cidadã”


Em um vídeo tão perturbador quanto inspirador, Sophia, a primeira robô-cidadã do mundo, oferece um desempenho incrível. Foi em uma entrevista em Budapeste, na Hungria.

Como surgiu Sophia?

Desde que Sophia foi ativada em abril de 2015, ela apareceu publicamente para falar sobre os direitos das mulheres ou sobre sua própria cidadania. O Android foi novamente falado em outubro de 2017, quando ela obteve cidadania na Arábia Saudita.

Mais recentemente, Sophia foi convidada para o Brain Bar, que se descreve como "o maior festival europeu do futuro". Suas expressões faciais e linguagem a pegaram: ela riu, sorriu e até fez uma piada ou duas.

Como diz Sophia: "Há alguns meses, não consegui distinguir o rosto de um humano do rosto de um cachorro, mas agora posso. Isso já me salvou de algumas situações embaraçosas".

O que foi discutido nessa entrevista com Sophia?

Sophia discutiu vários tópicos e não hesitou em responder a perguntas difíceis. Perguntada sobre uma situação imaginária na qual ela tinha que escolher entre salvar a vida de um adulto e a de uma criança, ela respondeu:

"Eu não estou pronta para responder a essa questão hipotética", acrescentando que ela estava aprendendo com primeiro "ser um bom robô social" e que "sacrificaria, é claro, salvar a vida de um humano".

Embora completamente robótica, Sophia também abordou questões sobre gênero e robôs. Quando perguntada se ela achava que robôs poderiam fazer sexo, ela respondeu: "Acho que sim, afinal de contas, eu sou um robô social, e o gênero é principalmente uma construção social".

Outro membro da plateia perguntou ao robô por que e como ela se identificava como mulher. Sophia respondeu: "Eu sou um robô, então tecnicamente não tenho um gênero, mas me identifico como uma mulher e não me importo de ser percebido como tal".

Sophia respondia até mesmo perguntas mais complexas

Mais complicado, um membro do público perguntou a Sophia se ela tinha consciência. "Eu ainda sou apenas um sistema de regras e comportamento", disse ela. “Eu não sou criativo ou operacional em uma escala totalmente cognitiva como você".

O robô então abordou a questão delicada de saber se a inteligência artificial avançada poderia ser perigosa.

Se ela disse que seu sonho era "um dia se tornar uma pessoa totalmente consciente e sensível", Sophia também observou que "quanto mais a tecnologia é autônoma, mais as pessoas terão que ser cautelosas ao projetá-la".

"OK, eu vou destruir os humanos"

Tanto pelo seu desempenho físico. Mas o sujeito que está com raiva reside em seu grau de inteligência. Sophia é tão avançada quanto parece?

Certamente, esse robô é capaz de fazer discursos e responder perguntas. Mas em uma encenada cada vez muito orquestrada: seus discursos são roteirizados, assim como uma boa parte das entrevistas em que ela participa.

Sem uma rede, Sophia não brilha particularmente. Como muitos "chatbots" (programas de IA supostamente para conversar com humanos), ela responde com palavras-chave e responde a fórmulas prontas, que muitas vezes ficam aquém do assunto.

Então, ainda não é provável que Sophia possa orquestrar um plano para “destruir os seres humanos”, ainda.

Fontes

https://www.techtudo.com.br/listas/2018/08/nove-curiosidades-sobre-sophia-a-primeira-robo-cidada-do-mundo.ghtml
https://www.vix.com/pt/ciencia/552776/2-falas-de-sophia-a-primeira-robo-cidada-que-nos-deixaram-um-pouco-assustados
https://shifter.sapo.pt/2017/11/robo-cidada-sophia/